domingo, 2 de Outubro de 2011

segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Comemorações do Centenário da República

100 ANOS DA REPÚBLICA



A 5 de Outubro comemorou-se 100 anos da Revolução Republicana em Portugal. A nossa escola assinalou a efeméride em duas actividades:

1ª - No arraial popular de Coimbra, na Praça Velha, promovido pela Câmara Municipal de Coimbra e pela Fundação INATEL, delegação de Coimbra.
Lá estiveram presentes os professores de História, envergando t-shirts com o símbolo da República. Na banca encontravam-se tacinhas de arroz doce, confeccionado por uma das funcionárias da escola - a Dª Lurdes -, loiça alusiva ao Centenário da República, rifas e livros, como a Cartilha do Povo de José Falcão (editada pela Câmara Municipal de Miranda do Corvo).
O clima de festa e de simpatia dos que ocorreram à dita Praça foi contagiante, tendo sido uma tarde muito divertida, com música e espectáculos.


2ª - Em Miranda do Corvo foi inaugurada a Praça da República, pelas 15,30h, onde se encontra a “Cápsula do tempo”. Este projecto foi da autoria do Grupo Disciplinar de História que contou com o apoio de umas centenas de alunos. Estes escreverem uma carta dirigida a um colega, falando da escola, de Miranda do Corvo e de Portugal. Só no dia 5 de Outubro de 2060 a Cápsula será aberta, projectamos nós, numa cerimónia pública comemorativa dos 150 anos da República e, então, serão entregues as missivas aos alunos que tiverem o ano, turma e número daqueles que escreveram.


Os alunos presentes nas fotografias, vestidos com a t-shirt “da República” elaboraram uma lista com os seus nomes e idades para figurarem na acta da próxima reunião da Câmara Municipal de Miranda do Corvo para, daqui a 50 anos, fazerem parte da Comissão Organizadora das Comemorações dos 150 anos da República. A proposta que partiu da Câmara foi aceite com muito entusiasmo por parte dos jovens presentes.









quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Visita do Prof. Dr. Carvalho Homem

No âmbito da disciplina de Área-Projecto, a nossa turma - 12º B -, vai contar com a presença do Professor Doutor Carvalho Homem que irá visitar a nossa escola, a fim de comentar 30 caricaturas, recolhidas alusivas a figuras históricas da Primeira República.

Esta sessão, tal como a visita da Dr.ª Graça Abranches, será aberta a todas as turmas do secundário, bem como à Comunidade em geral.

Apareçam. Esperamos por vocês!

Professor Doutor Amadeu Carvalho Homem

Professor Doutor Amadeu Carvalho Homem é professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. A sua investigação tem privilegiado a teorização política do Liberalismo, da Democracia e do Socialismo em Portugal, no decurso do período contemporâneo.
Dedicou-se especialmente ao aprofundamento da história no nosso republicanismo, procurando sobretudo salientar os contributos filosóficos em que essa proposta assentou. Pelo seu labor de clarificação do fenómeno republicano em Portugal, recebeu das mãos do então Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, a comenda da ordem do Infante D. Henrique.

Como historiador da Cultura, dedicou muito do seu estudo à caracterização intelectual de alguns vultos cimeiros, da Geração de 70. É o coordenador científico de um curso de 2º Ciclo (nível de mestrado) e de um curso de 3º Ciclo (nível de doutoramento), ministrados pela Faculdade de Letras da sua Universidade, no âmbito das ideologias e utopias contemporâneas. Além de exercer o seu trabalho junto de estudantes de História, tem colaborado também com outras áreas de formação, como a área de Comunicação Social e Jornalismo e a dos Estudos Europeus. Deu ínicio a uma nova frente de investigação, de natureza multidisciplinar, aplicada ao estudo da imagem e da iconografia históricas.

Dr.ª Graça Abranches

Dr.ª Graça Abranches vai deslocar-se à nossa escola - Escola Básica 2,3 c/ sec. José Falcão de Miranda do Corvo - no dia 8 de Março - Dia Internacional das Mulheres -, a fim de comentar o Movimento de Emancipação feminina, respondendo a questões colocadas pelos alunos.
Esta sessão será aberta a todas as turmas do secundário que estejam interessadas em tal assunto, bem como à Comunidade em geral.

Aparece. Contamos com a tua presença!



Importância do Dia Internacional da Mulher

Este dia pretende chamar a atenção para o papel e a dignidade da mulher e levar a uma tomada de consciência do valor da pessoa; perceber o seu papel na Sociedade; contestar e rever preconceitos e limitações que vêm sendo impostas à mulher.

quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010

Afonso Augusto da Costa

Seia, 06-03-1871; Paris, 11-05-1937

Advogado, professor universitário, doutrinador e político republicano (parlamentar, estadista e diplomata).

Licenciou-se (1894) e doutorou-se (1895) em Direito na Universidade de Coimbra. Foi um advogado de grande prestígio e um dos juristas mais respeitados do seu tempo devido ao rigor da argumentação e fundamentação das suas teses. Foi professor na Universidade de Coimbra (Direito Civil, 1896, Economia Política, 1896‑98 e Organização Judiciaria, 1897‑1901), na Escola Politécnica de Lisboa (Economia Política, 1911), na Faculdade de Estudos Sociais e de Direito (depois Faculdade de Direito) de Lisboa – que fundou (1913) e de que foi o primeiro director – e no Instituto Superior de Comércio (1915).

Republicano desde a juventude, publicou (1890), com António José de Almeida, o jornal anti-monárquico Ultimatum e esteve implicado nas revoltas de 31 de Janeiro de 1891 e de 28 de Janeiro de 1908, tendo então sido preso. Ainda durante a monarquia, foi deputado pelo Partido Republicano (1899, 1906-07, 1908 e 1910), notabilizando-se pela violência dos seus discursos contra o regime monárquico e desempenhando assim um importante papel na agitação política que antecedeu a sua queda.

Proclamada a República (5 de Outubro de 1910), foi parlamentar (1911-26) e assumiu funções governativas como Ministro da Justiça (1910-11), Ministro das Finanças (1913-14 e 1915-17) e Presidente do Ministério (1913-14, 1915-16 e 1917), tendo sido um dos ideólogos do novo regime e o principal artífice da sua arquitectura política e do seu ordenamento jurídico.

Para além do contributo que deu à Constituição Republicana (1911), devem-se-lhe as iniciativas políticas que conduziram à elaboração de leis como a Lei da Família, a Lei do Registo Civil, a Lei do Divórcio, a Lei da Separação do Estado e das Igrejas (1911), a Lei do Inquilinato, a Lei da Reorganização Judiciária, a Lei da Reforma Monetária, a Lei da Expulsão das Ordens Religiosas, etc.. Deve-se-lhe também a elaboração do primeiro Orçamento de Estado devidamente organizado e equilibrado desde o estabelecimento do liberalismo em Portugal. Defensor da causa aliada, foi um dos promotores da participação de Portugal na 1ª Grande Guerra.

Foi o principal instigador da revolta contra a ditadura de Pimenta de Castro (1915) e, no seguimento da subversão sidonista do regime (1917), esteve preso durante três meses e acabou por se exilar em Paris (1918).

terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

Carolina Beatriz Ângelo: Uma mulher convicta


Carolina Ângelo nasceu na cidade da Guarda em 1877, tendo falecido em 1911.
Em 1902 concluiu o curso de Medicina na Escola Politécnica e Médico-Cirúrgica em Lisboa, tornando-se a primeira mulher a exercer a profissão de médica cirurgiã.
Feminista convicta fundou a Associação de Propaganda Feminista em 1911, contando com o apoio de outras feministas da época, como Elzira Dantas, a esposa de Bernardino Machado que viria a ser Presidente da República Portuguesa em 1915 e 1925.
Na época de Carolina a lei afirmava que podiam votar "cidadãos portugueses com mais de 21 anos, que soubessem ler e escrever e fossem chefes de família". Sendo viúva e licenciada, esta mulher republicana e muito determinada lutou para que lhe permitissem votar uma vez que, na lei, nada o proibia. Infelizmente a sua luta saiu gorada, pois embora lhe tenham reconhecido o pedido, a lei foi mudada no ano seguinte estabelecendo, de forma muito clara, que os tais “chefes de família” teriam de ser do sexo masculino.
Carolina lutou fervorosamente pela Emancipação Feminina, tendo sido a primeira mulher a votar em Portugal e no quadro dos doze países europeus que vieram a constituir a União Europeia.